Fazenda Capão Alto concluiu etapa de processo arqueológico

Fazenda Capão Alto concluiu etapa de processo arqueológico

Integrando o plano de ação anual, a Fazenda Capão Alto concluiu nos dias 16 e 17 a etapa de 2014 do estudo arqueológico. O processo, que iniciou-se em novembro, busca ampliar a compreensão das ocupações passadas do espaço e é coordenado pelo arqueólogo e professor Igor Chmyz, um dos mais reconhecidos profissionais da área no Brasil, com mais de 50 anos de atuação.

Para marcar o encerramento da primeira fase, a Fazenda Capão Alto recebeu na terça-feira (16) membros da Secretaria de Educação do município de Castro, para o lançamento de uma cartilha sobre patrimônio cultural e arqueológico, desenvolvida pela equipe de arqueologia da Fazenda. O material poderá ser utilizado pelos educadores da cidade como apoio didático em suas aulas.

Na quarta-feira (17), o superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), José La Pastina Filho, e a coordenadora do Patrimônio Cultural do Paraná, Rosina Parchen, estiveram na Fazenda para um acompanhamento do processo arqueológico e a definição de novas estratégias para o Espaço Cultural Fazenda Capão Alto.

A pesquisa arqueológica já resultou na coleta de materiais dos séculos XVIII e XIX. Até o momento, foram realizados 270 cortes-experimentais e 2 cortes-estratigráficos e em muitos deles foi possível encontrar material arquelógico em escavações com até um metro de profundidade. Após a próxima fase do projeto, que é a análise laboratorial dos objetos encontrados, uma exposição será montada para apresentá-los aos visitantes.

A instalação do sítio arqueológico da Fazenda Capão Alto começou como uma ferramenta para reconhecimento do local, que guarda importantes capítulos da história do Estado, como o movimento tropeiro e o desenvolvimento agropecuário.